Meu Perfil
BRASIL, Sul, PORTO ALEGRE, Homem, Portuguese
Yahoo Messenger -



Histórico


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 deste para melhor
 poesiacoisanenhuma
 verbavisual
 ronaldomachado
 jaguadarte.zip.net
 editora éblis
 paulo de toledo
 ricardo o bardo
 www.dichtungsring-ev.de
 www.germinaliteratura.com.br
 ameopoemaeditora.com.br
 www.umbigodolago.blogspot.com
 ospoets
 slope
 soma.zip.net
 eu tenho Critério
 jornal de poesia
 ed. perspectiva
 mauro faccioni filho
 carlosbesen.blogspot.com
 cronópios
 filhos de orfeu
 clareira na selva
 jpwapler
 blog do prof. hingo
 overmundo
 famigerado
 literafro
 poesiapau2
 revisados de dione veiga
 o simulador sandro ornellas


 
 
poesia-pau


O que lhe dirá o leitor?

 

        Poeta nascido no ano de 1966, em Vila Nova de Famalicão, Portugal, Luís Serguilha assume com desassombro a prática em abismo do seu “interminável texto”, que também não tem começo, como assinala E. M. de Melo e Castro não deixando dúvidas quanto à sua admiração pela radicalidade da experiência poética de Serguilha. Diante de uma certa tendência, ou precipitação da poesia contemporânea para a rarefação inoperante do verso e um realismo entre cínico e publicitário, a obra do poeta português, recortada contra um semelhante pano-de-fundo, nos causa um desconforto iluminador. Sua poesia exorbitante, movimentando-se a contragosto do solo - ao menos frente às condições brasileiras -, colabora para tornar este “teatro de operações” mais complexo.

        Como objeto deste meu breve comentário acerca de sua poesia, detenho-me preferencialmente no volume Lorosa’e - Boca de sândalo (2001). Em relação à A singradura do capinador (2005) e O externo tatuado da visão (2002), os dois outros livros que pude ler de Luís Serguilha, Lorosa’e... me parece mais interessante pela opção por um fôlego metafórico de menor extensão. Vale dizer, neste livro o poeta impõe um limite disciplinador à estilema da redundância sintática transgressora com que trabalha de modo obsessivo. Os textos têm medidas inteligentes, formam pequenos ideogramas de precisão do impreciso, ou compósitos de imagens ígneas do sentimento do horror ou dos transes do mundo a enublar (lançando, por sua vez, um pouco de umbra entre o poeta e o mundo da linguagem) um precário locus amoenus, refiro-me (não escapando à indecisão de minha leitura) aos topônimos “Maubere” e “Timor”, que atravessam várias seqüências de textos: expedições ao exasperante lugar das inscrições insolventes. Mas, felizmente para mim, seus poemas jamais se aferram às medidas do representado. Eles estabelecem provocativas fraturas de som e sentido.

        Não obstante a estrutural cornucópia de metáforas, o que está em jogo no seu desejo de linguagem (me parece) é uma música obsedante, um ritmo que denuncia a fabulação de uma fala prístina, nascente do discurso, um canto falado que farfalha a ramagem dos nomes. Arrisco-me a dizer que feito as Galáxias de Haroldo de Campos, aos poucos percebemos o (seu) texto como um mar de música, paralelismos, pulsações e acentos estilhaçando palavras e sintagmas contra a pedra porosa da página. Melo e Castro acerta quando aponta para uma “trans-semântica” implicada da poética de Serguilha.

        Já que mencionei a “página”, elemento performativo do poema moderno - cette blancheur rigide como a definiu Mallarmé -, em Lorosa’e - Boca de sândalo anoto também o aproveitamento dos espaços em branco por onde o silêncio (projeção icônica, mas ao reverso, do verbal) respira e conspira; por onde os sentidos se anulam e ao mesmo tempo exsurgem cambiantes: cláusulas permutacionais. Cito os poemas das págs. 145 (“Carícia que abre...”) e 147 (“Timor..”), como exemplos.

        O crítico Sérgio Paulo Guimarães de Sousa, considerando talvez o ponto de vista do leitor, comenta o “violento hermetismo” da poesia contida em Lorosa’e - Boca de sândalo. A questão que levanto é a de que não há um texto-poema hermético em absoluto. Há um poema e suas lacunas constitutivas, isto é, a invocação de uma interpretação possível para cada leitura que se dá no tempo e na vivência deste leitor-poeta. E esta leitura é irredutível a ele e ao momento que o perturba e cerca. O leitor não tem de alcançar “o” significado, ou concordar com o significado deste ou daquele superexegeta, não; ele precisa construir o seu sentido a partir de uma fruição sem fios e no interior da linguagem, a partir de um olhar quase naïf para o texto. E a poesia de Luís Serguilha, onde o mundo se revela por meio de um espetáculo às avessas, e como filha de Hermes, divindade do trânsito e da verberação equívoca e metalingüística, do translado de signos e de insígnias, é, portanto, um convite poderoso à fantasia e à liberdade do leitor-colaborador, leitor-intérprete - em sentido musical.

 

 

 

Lorosa’e

aprisionado seio no utensílio rachado

                                           ouve-se a magnitude das rosas de Baucau

nas armaduras ocultadas            nos telegramas rememorados

no corno da chacina         no arqueiro gramatical que se aventura na

fluência dos tinteiros

exausto nos incessantes leques        nas filas redondas dos choupos

 

(poema de Luís Serguilha)


Escrito por ronald augusto às 10h08
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]